Alternate Text
CNAM
Tudo Sobre o Leite Alternate Text Alternate Text
Manteiga Alternate Text Alternate Text
Manteiga
go back arrow anterior

Existem registos da utilização da manteiga datados de 2000 anos a.C. A Bíblia está repleta de referências à manteiga. Pouco se sabe sobre os métodos de manufatura originais, sendo as descrições mais antigas provenientes dos Árabes e dos Sírios. Consta que utilizavam um recipiente feito de pele de cabra, com uma abertura por onde se depositava a nata. O recipiente era então suspenso e agitado até se formar manteiga.As utilizações da manteiga eram variadas. Os egípcios acreditavam que a manteiga possuía atributos medicinais e na Roma Antiga a manteiga era usada como um cosmético para pele e para o cabelo.

Nos primeiros séculos a manteiga era transportada desde a Índia até aos portos do Mar Vermelho. A produção de manteiga na Europa foi provavelmente introduzida através da Escandinávia. No século XII, a manteiga escandinava era um artigo de comércio: os Alemães mandavam navios para Bergen, na Noruega, e trocavam vinho por manteiga e peixe seco.

Os Irlandeses, Noruegueses, Finlandeses, Islandeses e Escoceses tinham o hábito de enterrar barris de manteiga em terrenos lodosos, como forma de proteger os mantimentos contra roubos ou inimigos durante a guerra: temperavam fortemente a manteiga com alho, e enterravam-na durante anos – tanto tempo que as pessoas chegavam a plantar árvores para marcar o local da manteiga. Quanto mais tempo tivesse, mais saborosa se tornava. Ainda hoje são encontrados vestígios arqueológicos desta prática.

No século XVIII, Portugal era um dos principais importadores de manteiga irlandesa. Em 1730 um anónimo viajante estrangeiro em Portugal descrevia uma refeição familiar em que participou: “À entrada serviram manteiga fresca, coisa muito rara em Portugal, onde só se come manteiga vinda da Irlanda, que posta em Portugal sai por menos dois terços do que custa a fabricada nos arredores de Lisboa”.

No século XIX Portugal continuava a importar e participava com o fornecimento de sal necessário ao fabrico de manteiga aos maiores produtores europeus, mas sobretudo para a Irlanda que na altura era domínio britânico.
A importação de manteiga sofreu uma diminuição durante o século XIX e a sua disponibilidade em Portugal foi assegurada pela produção doméstica tradicional. Ao longo do século XX desenvolveu-se a produção industrial nacional de manteiga.

go back arrow Voltar ao Topo