Alternate Text
CNAM
Leite é Bom Alternate Text Alternate Text
Leite e a prática desportiva Alternate Text Alternate Text
Leite e a prática desportiva
go back arrow anterior


Beber leite após o exercício pode ajudar a reduzir a degradação muscular e a melhorar a recuperação, o que pode ajudar a melhorar a performance no próximo treino. (1,2)

A ingestão de leite após o exercício físico e a desidratação térmica permite uma boa recuperação do equilíbrio de fluídos do corpo, melhor do que as bebidas desportivas com hidratos de carbono e eletrólitos e até melhor do que a água. (3)



Os ossos e os músculos são essenciais para uma boa forma física. As proteínas auxiliam na manutenção de ossos normais e no crescimento e manutenção da massa muscular.



O leite é composto por vários tipos de proteínas, incluindo as caseínas e as proteínas do soro (também conhecidas como "whey" ou "whey protein").



O leite oferece muitos nutrientes importantes para o funcionamento normal do organismo e recentemente vários estudos científicos têm vindo a demonstrar que o leite também pode ser uma bebida desportiva.



As proteínas lácteas são de alto valor biológico, porque todos os aminoácidos essenciais entram na sua constituição, nas quantidades necessárias ao nosso organismo.


Cnam Factos1







(1) THOMAS K, et al. Improved endurance capacity following chocolate milk consumption compared with 2 commercially available sports drinks. Applied Physiology, Nutrition, and Metabolism. 2009;34:78-82. (2) COCKBURN E, et al. Acute milk-based protein-CHO supplementation attenuates exercise-induced muscle damage. Applied Physiology, Nutrition, and Metabolism. 2008;33:775. (3) SEERY S. and JAKEMAN P. A metered intake of milk following exercise and thermal dehydration restores whole-body net fluid balance better than a carbohydrate-electrolyte solution or water in healthy young men. British Journal of Nutrition (2016), 116(6):1013-21. (4) EFSA Panel on Dietetic Products, Nutrition and Allergies (NDA); Scientific Opinion on lactose thresholds in lactose intolerance and galactosaemia. EFSA Journal 2010;8(9):1777. [29 pp.].

go back arrow Voltar ao Topo